Voto eletrônico é “seguro, transparente e auditável, voto em papel é retrocesso“, diz Ministro Barroso

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, defendeu o voto eletrônico na Comissão Geral da Câmara dos Deputados nesta 4ª feira (09.jun.2021).

“Nosso processo eleitoral eletrônico é seguro, transparente e, sobretudo, ele é auditável”, afirmou o ministro.

Os deputados debatem PECs (projetos de emenda à Constituição) da reforma eleitoral e da adoção de urnas eletrônicas que permitem a impressão de comprovantes dos votos. Segundo o TSE, viabilizar o voto impresso custaria R$ 2 bilhões.

O presidente Jair Bolsonaro é a favor da proposta e já afirmou que o presidente Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é o “pai do voto impresso”. Também afirmou que sem voto auditável em 2022, o ex-presidente Lula pode ganhar o pleito “pela fraude”.

A proposta defendida pelo presidente acumula derrotas desde a primeira vez que foi sancionada, em 2002. Críticos afirmam que a medida colocaria em risco o sigilo do voto. Em 20 anos, as 3 leis que estabeleciam o voto impresso enfrentaram resistência e foram derrubadas.

O novo modelo também encontra resistência na população. De acordo com o instituto PoderData, 46% são contra o comprovante impresso para auditar o voto digital.

O TSE já sinalizou que será difícil que o voto impresso seja implementado nas eleições de 2022, mesmo que a medida seja aprovada pelo Congresso Nacional antes do pleito.

A discussão aconteceu na Câmara dos deputados. Acompanhe abaixo:

Deixe uma resposta