Vereadores aprovam projeto que cria a Escola de Cultura de Ribeirão Pires

Repórter ABC | Luís Carlos Nunes – Pelo placar de 16 votos favoráveis e 1 contrário a Câmara de Ribeirão Pires aprovou nesta 5ª feira (20.mai.2021) o Projeto de Lei nº 012/2021 de iniciativa do Executivo que institui na cidade a Escola de Artes de Ribeirão Pires.

De acordo com o texto aprovado, a futura Escola Municipal de Artes de Ribeirão Pires (EMARP) tem como objetivo promover o acesso gratuito à Educação artística pública e de qualidade para a população, em consonância com os termos d a Lei Orgânica Municipal, será instalada em sede própria da municipalidade e oferecerá cursos de artes plásticas, audiovisual, dança, música, teatro, entre outros que estejam alinhados à missão, objetivos e capacidade institucional da escola. Os cursos oferecidos serão regulares e gratuitos nas modalidades infantil, juvenil e adulto, garantida a igualdade de oportunidades no que se refere ao direito de acesso a eles.

Votaram favoráveis ao Projeto, os vereadores: Alessandro Dias (Podemos), Sapão Borges (PTC), Amanda Nabeshima (PTB), Anderson Benevides (Avante), Rato Teixeira (PTB), Diogo Manera (PSDB), Edmar Oldani (PSD), Paixão (Patriota, Koiti Takaki (PSDB), Lau Almeida (PSDB), Leandro Tetinha (PTB), Guto Volpi (PL), Professor Paulo Cesar (PL), Sandro Campos (PSB), Sargento Alan (PL) e Valdir Nunes (Podemos).

O voto contrário foi da vereadora Márcia Coletiva de Mulheres (PT). A vereadora Amanda Nabeshima que na primeira votação votou contrariamente ao projeto reviu seu voto e acolheu a proposta.

Conforme apurou o Repórter ABC, na 4ª feira (19.mai), uma reunião com o secretário da SEJEL, Clauricio Bento e com a presença das vereadoras, Amanda Nabeshima  e Márcia da Coletiva de Mulheres aconteceu com o Fórum de Cultura da cidade para tratar do tema onde as principais dúvidas foram esclarecidas.

A matéria segue ao executivo para a sanção do prefeito Clovis Volpi.

O projeto de visa contemplar urgente demanda cultural na cidade foi cercado de questionamentos quando integrantes do Conselho Municipal de Cultura da cidade e ativistas organizaram manifestação em frente a Casa de Leis na 5ª feira (13.mai).

Mesmo com a proposta estando disponível na página oficial do legislativo desde o dia 5 de maio, o grupo só oficializou pedido de adiamento da votação às 15hs10, horário em que a sessão prevista para as 14hs00 já havia se iniciado para a votação em primeiro turno.

Saiba mais clicando aqui.

Deixe uma resposta