Bolsonaro ataca governadores em reunião, diz que lockdown é “inaceitável” e insiste com cloroquina

O presidente Jair Bolsonaro fala com jornalistas depois de reunião com autoridades no Palácio da Alvorada

Poder 360 – O presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta 4ª feira (24.mar.2021), no Palácio do Alvorada, com governadores e chefes de Poderes para tratar de medidas de combate à pandemia. Anunciou que será criado um comitê que se reunirá semanalmente para discutir as políticas para conter o alastramento da covid-19. O presidente voltou a defender o “tratamento precoce”.

Será criado um comitê que se reunirá toda semana com autoridades para decidirmos ou redirecionarmos o rumo do combate ao coronavírus“, disse Bolsonaro a jornalistas depois da reunião.

Participaram da reunião governadores, os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux. Também foram ao Palácio ministros do governo e o vice-presidente Hamilton Mourão.

O presidente foi o único dos chefes de Poderes a falar sobre “tratamento precoce”. O chefe do Executivo disse que o assunto foi tratado no encontro. Segundo ele, ficam a cargo do ministro da saúde, Marcelo Queiroga, os protocolos em torno do método de tratamento, que não tem eficácia comprovada cientificamente.

Bolsonaro disse que o novo ministro “respeita o direito e o dever do médico [em prescrever o tratamento] off label”. No entanto, declarou que “não temos remédio” para a doença.

“Nossa união, nosso esforço entre os 3 poderes da República, ao nos direcionarmos para aquilo que realmente interessa, sem que haja conflito ou politização do problema, é o caminho para o Brasil sair dessa situação complicada em que se encontra”, disse o presidente.

O presidente da STF, Luiz Fux, afirmou que o Supremo é o “último player” nas decisões e, por isso, “não pode participar” do comitê, mas que buscará estratégias para evitar judicializações nas medidas a serem discutidas.

Os governadores levaram uma série de demandas ao presidente. Cada região teve um representante na reunião. Foram eles: Ratinho Júnior (PSD), governador do Paraná; Renan Filho (MDB), governador de Alagoas; Cláudio Castro (PSC), governador do Rio de Janeiro; Ronaldo Caiado (DEM), governador de Goiás; e Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas. Alguns deles adotaram medidas que foram atacadas por Bolsonaro durante a crise, como confinamentos.

Nessa 3ª feira (23.mar), o Ministério da Saúde confirmou mais 3.251 mortes pela covid-19. É o maior número já registrado em 1 único dia desde o início da pandemia. O número nunca havia ficado acima de 3.000.

No total, 298.676 pessoas morreram vítimas da covid-19 no país.

Também na 3ª feira (23.mar), Bolsonaro fez um pronunciamento na televisão, no qual defendeu a vacinação contra a covid-19 no Brasil. Políticos de diversos espectros ideológicos foram às redes sociais para criticar o presidente.

“Há unanimidade na intenção de cada vez mais nos dedicarmos à vacinação em massa no Brasil”, disse Bolsonaro nesta 4ª feira (24.mar).

A tentativa de desvincular a imagem do presidente a atitudes contrárias à vacinação contra a covid-19 ganhou força nas últimas semanas. Uma série de sinais começou a ser dada em 10 de março, quando Bolsonaro enalteceu as vacinas, usou máscara publicamente depois de meses e pediu confiança no governo.

Na mesma semana, os filhos do presidente seguiram no mesmo tom. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) encaminhou uma imagem do pai com a frase “nossa arma é a vacina” em seu canal oficial no Telegram. “Vamos viralizar”, instruiu aos seguidores. O filho 02, o vereador Carlos Bolsonaro, divulga desde então vídeos com falas do presidente afirmando que “Bolsonaro nunca foi contra vacina”.

Linha do Tempo

Até o início de 2021, o posicionamento de Bolsonaro em relação ao imunizantes era diferente, sem defesa pública da vacinação. Eis a sequência de fatos:

21.out.2020: Bolsonaro decide cancelar o acordo firmado pelo Ministério da Saúde para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

À época, a reportagem do Poder360 apurou que Bolsonaro enviou mensagens a ministros com o seguinte teor: “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19“.

Bolsonaro também manifestou publicamente sua opinião contrária à vacina chinesa. Em resposta a seguidores de sua página no Facebook, o presidente reforçou que o Brasil não compraria o imunizante da China e falou em “traição”.

17.nov.2020: o presidente comemora a suspensão pela Anvisa dos testes da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa. “Morte, invalidez e anomalia… Esta é a vacina que o Dória (sic) queria obrigar a todos os paulistanos a tomá-la (sic). O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, respondeu o presidente a um seguidor no Facebook.

12.dez.2020: o governo entrega ao STF, em resposta a determinação do ministro Ricardo Lewandowski, um plano de vacinação. O documento, no entanto, não traz previsão de início da imunização.

17.dez.2020: o presidente critica imunizantes, em especial o desenvolvido pela norte-americana Pfizer. “Se você virar um jacaré, problema de você”, disse sobre aqueles que tomassem as vacinas.

No mesmo dia, Bolsonaro critica o Congresso Nacional por derrubar um veto de seu governo à medida que estipula prazo de 72 horas para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizar, de forma excepcional, produtos sem registro durante a pandemia, inclusive vacinas. Os congressistas decidiram que a agência deveria analisar o pedido em, no máximo, 3 dias.

“[O Congresso] deu uma pisadinha na bola nessa derrubada de veto. Dá vontade de pegar lá quem votou para derrubar o veto e falar: ‘Vem cá, ô cara, vai tomar injeção ou não vai? Vai tomar vacina da China ou não vai?’”, disse.

26.dez.2020: Bolsonaro diz que o fato de outros países já terem começado a vacinar seus cidadãos não o pressionava. “Ninguém me pressiona para nada, eu não dou bola pra isso. É razão, razoabilidade, é responsabilidade com o povo. Você não pode aplicar qualquer coisa no povo”, disse.

janeiro de 2021: a gestão Bolsonaro recusa a compra de 2 milhões de doses do imunizante da Pfizer. No mesmo mês, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello reclama das condições de compra do laboratório:

Todos já sabem das cláusulas da Pfizer. Eu acho que eu não preciso repetir, mas eu vou ser sucinto: isenção completa de responsabilidade por efeitos colaterais de hoje ao infinito. Simples assim”, diz o então ministro em 11 de janeiro.

Deixe uma resposta