“Se o governador não auxiliar na paralisação dos transportes teremos mais mortes no ABC”, alerta Volpi

“Não há medida paliativa para resolvermos isso, é preciso uma decisão política de coragem”, disse Volpi ao pedir o apoio o governador para que paralise o transporte público e apoie um lockdown no ABC

Repórter ABC | Luís Carlos Nunes – O prefeito de Ribeirão Pires, Clovis Volpi (PL) fez um declaração dramática sobre a situação do sistema de saúde da cidade.

Segundo Volpi é preciso, esse não é momento para se pensar em política, eleição ou voto, temer  a perda de apoio político. O prefeito fez um apelo para que o governador João Doria coloque a mão racionalize bem o que está acontecendo no ABC e apoie a paralisação do transporte público na região.

“Não há alternativa paliativa para resolvermos isso, não há não. Precisamos tomar decisões políticas difíceis de serem tomadas, mas são alternativas que poderão solucionar esse problema (da pandemia). Se nós não tivemos a contribuição do governador auxiliando na paralisação do transporte público nós não teremos como fazer inclusive o lockdown que nós gostaríamos de fazer.  Eu sou favorável, eu já disse isso no passado, eu já disse isso na semana. o consórcio Já enviou uma correspondência para o governador avalizando esta medida se ele quisesse tomar, mas até agora é que isso está dentro do protocolo que o estado quer. Vamos colocar a mão na consciência, não se trata de política, não se trata de eleição não se trata de voto, não se trata dessa besteira toda que os políticos alvoroçados em perder prestígio público. Isso não importa agora. Faço este apelo ao Governador para que pense nisso, racionalize bem o que tá acontecendo, o abc todo não tem mais espaço”.

Antes do apelo o prefeito de Ribeirão Pires fez um relato da situação em que se encontra a cidade na questão da estrutura da saúde da cidade e alertou que insumos e oxigênio podem faltar em Ribeirão Pires.

Ver mais clicando aqui e aqui.

Segundo o prefeito que cumpriu expediente neste sábado, o mesmo estava em seu gabinete, “estudando, olhando, raciocinando e buscando alternativas para vivermos a próxima semana“.

“Hoje, sábado, nós deveríamos ter aqui a visita da White Martins para ampliar a nossa capacidade de oxigênio na UPA, porque os pacientes precisam de mais oxigênio e os nossos limites já foram ultrapassados, lamentavelmente não puderam vir, não vieram embora nós estivesse usar com todas as equipes para implementação daquele reservatório. Durante a semana, nós tentamos aumentar a nossa capacidade de leitos apenas para enfermaria no nosso hospital de campanha, seriam 16 leitos. Consultamos a White Martins e ela disse que não teria oxigênio se nós ampliasse o nosso hospital. Olha que situação nós estamos chegando.

As notícias agora, são de que poderemos em 15 dias não ter mais os remédios, os insumos para que se possa fazer a intubação. Isso será de novo um caos.

Nós recebemos essa semana inúmeras doações de empresas e pessoas físicas mesmo que contribuíram. A CBC nos trouxe três equipamentos respiratórios para entubar, já estão sendo utilizados. Na segunda-feira às 14 horas chegaram mais sete e nós vamos abrir mais 5 leitos na UPA para incubar. Nós estamos ultrapassando todos os nossos limites”.

Clóvis disse ainda que devido ao grande aumento nos casos de óbitos, prepara para está próxima 2ª feira a abertura de novas covas no cemitério municipal.

“Na 2ª feira nós começaremos a abrir covas no nosso cemitério porque as que nós tínhamos aberta abertas, eram apenas para atender a demanda dos óbitos que em média acontece na nossa cidade por dia. O COVID ultrapassou em muito esta média e nós não temos alternativa senão iniciaram um processo na 2ª feira de abertura de novas covas para que possamos atender as famílias fazendo aqui o enterro dos seus entes queridos.

Isso não é fácil dizer não! Não pensem vocês, que nós passamos uma notícia dessa aqui achando uma expressão chula, ‘que se dane’, não! Isso traz muitas responsabilidades”.

Segundo ainda:

“Eu disse isso a mais ou menos uns 10 dias aqui que nós veremos pessoas morrendo nas calçadas se nós não tomamos providências políticas de coragem para poder estancar o crescimento da COVID. Nós estamos quase que vivendo isso aqui em Ribeirão Pires”.

Volpi reforçou o seu apelo para que as pessoas colaborem com o isolamento social e evitem aglomerações, pois em sua fala disse que o inimigo é invisível.

“Volto a fazer esse apelo à população Ribeirão Pires está com índice de permanência nas residências muito baixo, apenas 44%. As pessoas vão à feira, as pessoas vão ao mercado, as pessoas vão na Lojas, as pessoas vão ao comércio, as pessoas estão saindo para comprar coisas que poderiam esperar um pouco.

Fica em casa por favor! Nós temos apenas 44% das pessoas em casa, precisamos chegar a 70% para poder evitar contaminações. Não vá às festas, esqueçam os casamentos, batizados, do churrasco em família, por favor!

Vocês não imaginam quando alguém passa para nossa UTI com índice de sobrevivência de 10, 15%. Eu recebo as notícias na hora aqui e sei que nós poderíamos ter mais um óbito a qualquer momento. Isso é um apelo que agente faz! Nós não estamos em uma brincadeira, nós estamos em uma verdadeira guerra contra um inimigo invisível”.

Veja o vídeo

Deixe uma resposta