Políticos e presidenciáveis comentam decisão de Fachin sobre Lula

A decisão do ministro do Edson Fachin do STF (Supremo Tribunal Federal), que anulou todas as condenações da 13º vara de Curitiba contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva surpreendeu o mundo político na tarde desta 2ª feira (8.mar.2021).

Nas mídias sociais, deputados, senadores e figuras públicas comentaram a decisão e analisam seu impacto no cenário político nacional. No Twitter o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que o ex-presidente pode até merecer a absolvição, já o ex-juiz Sérgio Moro, não.

Já o ex-ministro da Saúde Luis Henrique Mandetta afirmou que a decisão é motivo de comemoração para “os extremos”. E que é preciso apontar um caminho para pacificar o país.

Sem citar diretamente a decisão de Fachin, o perfil oficial do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) colocou a legenda como alternativa ao que chama de “extremos”.

O ex-candidato a presidência da República em 2018 Fernando Haddad, celebrou a decisão.

O Governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), comemorou a decisão ressaltando que os processos contra o ex-presidente “jamais poderiam ter sido julgados em Curitiba”.

O ex-candidato a Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (Psol-SP), disse que a decisão chega atrasada.

A decisão repercutiu também entre autoridades internacionais, como o presidente da Argentina, Alberto Fernández, que parabenizou o ex-presidente Lula. “Celebrando que @LulaOficial foi reabilitado em todos os seus direitos políticos. As sentenças proferidas contra ele com o único propósito de persegui-lo e eliminá-lo da carreira política foram revogadas. Justiça foi feita! #LulaLivre“, comemorou o Fernández que deve encontrar o presidente Jair Bolsonaro dia 26 de março em Buenos Aires.

Provável candidato a presidência em 2022, o apresentador Luciano Huck afirmou que é preciso respeitar a decisão do STF mas que “figurinha repetida não completa álbum”.

Ciro Gomes, também provável candidato na corrida presidencial de 2022, comentou a decisão publicando um vídeo no Twitter, com um compilado de entrevistas aonde ele alerta sobre a possibilidade de nulidade nos processos da Lava Jato.

O MBL (Movimento Brasil Livre), um dos grupos responsáveis por articular as manifestações pró-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, convocou os seguidores para um panelaço contra a decisão.

Manuela D’Ávila (PC do B), que concorreu a vice-presidência da República em 2018, afirmou que a decisão é uma vitória para o país.

Já a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), noticiou a decisão sem fazer referência ao nome do ex-presidente, chamando-o de “cachaceiro”.

O deputado Kim Kataguiri (Democratas) afirmou que a decisão significa a reeleição do presidente Jair Bolsonaro em 2022. “Desolador“, disse.

Presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, a deputada Bia Kicis (PSL), limitou-se apenas a informar a decisão. Mesmo sendo declaradamente antipetista.

O deputados Marcelo Freixo (Psol) ressaltou que “os humores do mercado não estão acima da Justiça“, em referência a queda do Ibovespa e a alta do dólar após o anúncio da decisão.

Deixe uma resposta