Brasil está em 40ª posição no ranking da vacina; sem Coronavac, estaria na 62ª

Repórter ABC com informações do Poder 360 – Levantamento divulgado neste sábado (6.mar.2020) por Thomas Conti, professor do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e do IDP-SP (Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa) mostra que, na comparação com outros países do mundo, o Brasil fica na 40ª posição na rapidez da vacinação.

O professor, que integra o grupo de pesquisadores da Rede Análise Covid-19, fez o cálculo de doses aplicadas da vacina em relação ao tamanho da população. Até 5ª feira (4.mar.2021), haviam sido aplicadas 4,6 doses a cada 100 habitantes no Brasil. Se não tivéssemos a Coronavac, seriam 0,9 doses a cada 100 habitantes, o que colocaria o Brasil na 62ª posição do ranking.

São considerados países com mais de 500 mil habitantes

Até agora foram aplicadas ao menos 10 milhões de doses de vacinas no Brasil. Desse número, foram 7,6 milhões de aplicações da 1ª dose e 2,4 milhões de aplicações da 2ª dose.

O levantamento considera todas as doses aplicadas, não importando se a 1ª ou a 2ª doses. A maioria das vacinas funciona completamente depois da aplicação de 2 doses. O ranking foi feito considerando países com mais de 500 mil habitantes.

Conti avalia que a predominância da CoronaVac fragiliza o processo de imunização no Brasil:  “Podemos dizer que hoje a vacinação brasileira depende da CoronaVac. Nas duas próximas semanas, devemos vacinar só com ela”, acrescenta o professor.

Isso porque se esgotaram as doses importadas da vacina de Oxford. O governo federal aguarda a 1ª remessa da vacina produzida no Brasil, pela Fundação Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

A entrega do 1º lote estava programada para fevereiro, mas foi adiada para este mês por causa do atraso na importação de insumos.

Conti pondera que o Brasil deve se manter atrás no ranking mundial por alguns meses: “pelo menos até abril, quando a Fiocruz começar a ter um volume maior de produção. O Instituto Butantan está fazendo um trabalho excelente. Mas não consegue, sozinho, produzir na velocidade que precisamos”, declara o professor.

Ele considera positiva a tentativa do Ministério da Saúde de obter doses de outras vacinas:  “É uma pena que o governo não tenha feito isso vários meses atrás”, acrescenta. Conti também é a favor que Estados e municípios comprem diretamente doses da vacina.

O Congresso já aprovou a possibilidade. O projeto de lei aguarda sanção presidencial.

Deixe uma resposta