Em 2020, Brasil teve uma denúncia de violência contra mulher a cada 5 minutos

Dados do Disque 100 e Ligue 180 divulgados em 7 de março de 2021

Os canais Disque 100 e Ligue 180 registraram 105.671 denúncias de violência contra a mulher em 2020. O número representa um registro a cada cinco minutos.

O dado foi divulgado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos neste domingo (7.mar.2021).

Segundo a pasta, 72% dessas denúncias foram de violência doméstica e familiar. Os outros 22% foram registros de violação de direitos civis e políticos, como tráfico de pessoas, cárcere privado e condição análoga à escravidão.

O ministério informou que a maioria das vítimas são mulheres declaradas como pardas, de 35 a 39 anos, com renda de até 1 salário mínimo. O perfil mais comum dos suspeitos relatados nas denúncias é de homens brancos de 35 a 39 anos.

Ao todo, foram feitas denúncias 349.850 contra direitos humanos no Disque 100 e no Ligue 180 em 2020. Cerca de 1/3 foram de violência contra mulheres. Foram realizados 3,5 milhões de atendimentos no ano passado. A pasta pretende divulgar esses dados diariamente pelo “Painéis de dados Direitos Humanos”. Acesse aqui.

Entre o total de denúncias, 27% foram de violências contra crianças ou adolescentes e 25% de violências contra idosos.

O mês com mais denúncias foi maio de 2020, no começo da pandemia, quando muitas pessoas começaram a passar mais tempo em casa por causa do home office. Em agosto os números passam a cair, época em que começou a haver flexibilização das medidas restritivas e mais pessoas voltaram a trabalhar presencialmente.

O ministério diz que mudou a metodologia de análise dos dados vindos dos canais de denúncia. Dessa forma, afirma que não é possível compará-los aos anos anteriores.

“É algo completamente diferente, então não dá para se comparar os dados de 2019 com os de 2020, porque são critérios completamente diferentes”, declarou Fernando Ferreira, ouvidor nacional de direitos humanos, em pronunciamento neste domingo.

Assista à apresentação:

Nova metodologia

Eis a explicação do ministério sobre a mudança:

“Os dados seguem metodologia elaborada com base na taxionomia construída por diversas áreas do MMFDH, disponível em manual elaborado pela equipe da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. Por isso, não é possível comparar os números do balanço de 2020 com o de anos anteriores. Também houve alteração na coleta das denúncias. Antes, cada ligação era registrada sob um número de protocolo, que comportava apenas uma denúncia. A partir da unificação da central cada protocolo passou a comportar mais de uma denúncia, que é definida pela relação entre suspeito e vítima”, divulgou a pasta em nota.

Veja abaixo.

Deixe uma resposta