9 Estados têm taxa de ocupação de UTIs acima de 90% e se aproximam de colapso

16 Estados e o Distrito Federal apresentam ocupação igual ou maior a 80% no Brasil

A taxa de ocupação de leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) para pacientes com covid-19 ultrapassa os 90% em 9 Estados brasileiros e no Distrito Federal. Segundo os dados das Secretarias Estaduais de Saúde, até a noite de 2ª feira (1º.mar.2021), esses 10 locais se aproximam do colapso da saúde pública.

Além disso, outros 7 Estados também apresentam ocupação das vagas de UTI igual ou superior a 80%. Os percentuais estão acima do considerado ideal pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que aconselha que a ocupação não ultrapasse 70% para que hospitais mantenham sua capacidade de atendimento e resposta a emergências.

A situação mais crítica é a de Rondônia, que atingiu 100% de ocupação em seus leitos de UTI e não conta mais com nenhuma vaga para atender a população. No total, 60 pacientes aguardam por leitos no Estado, inclusive 6 pessoas que já foram entubadas.

Todos os municípios de Rondônia estão na fase vermelha do plano de enfrentamento à pandemia, a mais restritiva, desde 26 de fevereiro. Ainda assim, o Estado conta com 15.053 pessoas atualmente com a covid-19, com sintomas ou não, mas que têm potencial para transmitir a doença. Os internados totalizam 713.

No Rio Grande do Sul, no Goiás e em Santa Catarina, as UTIs estão com ocupação acima de 95%. Em todos os Estados, há hospitais trabalhando acima de sua capacidade para atender pacientes com covid-19. Cidades do interior precisam transferir doentes para as capitais, mas ainda assim o número de vagas não é suficiente para toda a demanda.

Para tentar conter o avanço, os governadores dos 3 Estados passaram a aplicar restrições mais rígidas previstas nos planos estaduais. Desde 26 de fevereiro, Santa Catarina suspendeu serviços não essenciais e tenta ativar novos leitos. O Rio Grande do Sul adotou a bandeira preta e suspendeu atividades das 20h às 5h da manhã. Goiás decretou restrições a partir de 2ª feira (1º.mar) por até 7 dias.

A criação de novos leitos é difícil para os Estados porque custa caro e muitas vezes há dificuldades estruturais. O espaço físico e os profissionais disponíveis para fazer o atendimento não são suficientes para as necessidades locais. No sábado (27.fev), a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber atendeu a pedidos de Bahia, São Paulo e Maranhão para que o governo federal pague pelos leitos de UTI voltados à covid-19. A medida deve ser cumprida imediatamente.

A situação dos Estados ficou mais complicada após o feriado de Carnaval, que aumentou o número de infecções em 21%. A nova variante do coronavírus também passou a circular mais no país nesse mesmo período.

Segundo o Ministério da Saúde, até 24 de fevereiro, a variante brasileira (P.1) já foi identificada em 10 dos Estados que têm mais de 80% das vagas de UTI ocupadas. Essa cepa é considerada mais transmissível, apesar de estudos ainda estarem sendo realizados para identificar suas diferenças em relação à genética inicial do coronavírus.

O Amazonas, local em que a variante foi identificada pela 1ª vez e que passou por colapsos da saúde pública e a falta de insumos, é a unidade da Federação que tem mais casos da nova variante. Eram 60 até o dia 24 de fevereiro. Mas, atualmente, não está entre aqueles com os serviços de saúde em processo de colapso. A ocupação de UTIs no Amazonas é de 72,1%.

Leia abaixo a situação dos leitos de UTI para tratamento de covid-19 em adultos em cada Estado do país:

Deixe uma resposta