SP vai comprar 20 milhões de vacinas, caso faltem doses do governo federal

O governador de São Paulo, João Doria, diz ser inacreditável que o ministério queira atribuir ao Butantan a responsabilidade pela sua incompetência

O governador de São Paulo, João Doria, disse que determinou ao Instituto Butantan a compra de mais 20 milhões de doses da vacina contra a covid-19.

“Se necessário for, imunizaremos os brasileiros que ainda não forem imunizados por falta de vacina, circunstancialmente, fornecida pelo Ministério da Saúde”, afirmou.

As declarações foram feitas nesta sexta-feira (19.fev.2021) em entrevista no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

Doria disse que vai cumprir o compromisso de entregar ao Ministério de Saúde, até o fim de agosto, 100 milhões de doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

“A partir de setembro, o governo de São Paulo está comprando mais 20 milhões de doses, ao nosso custo, sob nossa responsabilidade”.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, falou sobre o cronograma de entrega de doses da CoronaVac ao governo federal. Será na seguinte proporção:

  • de 23.fev a 2.mar – 3,4 milhões
  • 3.mar a 31.mar  – 13,9 milhões
  • 1º.abr a 30.abr – 18,9 milhões (a depender de insumos da China);
  • maio a agosto – 54 milhões (a depender de insumos da China).

A entrega das 54 milhões de doses da CoronaVac é objeto de um 2º contrato assinado na segunda-feira (15.fev.2021) entre Butantan e Ministério da Saúde. No total, a previsão é de que 100 milhões de doses sejam entregues ao governo federal.

Na quinta-feira (18.fev.2021), o Ministério da Saúde enviou ofício ao Instituto Butantan solicitando a compra de mais 30 milhões de doses da CoronaVac. As doses se somariam às 100 milhões já contratadas pelo governo. Esse novo pedido estima entrega até dezembro de 2021.

Sobre a disponibilidade de insumos para a produção das 30 milhões de vacinas e sobre o cronograma de entrega, o Instituto Butantan informou que ainda “avalia o documento” enviado pelo governo federal.

Até o momento foram vacinados 1.936.868 de pessoas em São Paulo, segundo o vacinômetro, atualizado nesta sexta-feira (19.fev.2021).

Butantan x Ministério

Doria afirmou que o Ministério da Saúde omitiu informações para tentar responsabilizar o Instituto Butantan pelo atraso na entrega de vacinas.

“É inacreditável que o ministério queira atribuir ao Butantan a responsabilidade pela sua incompetência, sua ineficiência e sua incapacidade, que estão acarretando a falta de vacinas nas cidades, Estados e no país”, disse.

Na quinta-feira (18.fev), o Secretário Executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, disse que o Instituto Butantan só entregará 30% das doses de CoronaVac, previstas para fevereiro no contrato com a pasta. O governo esperava 9,3 milhões até o final do mês. Já recebeu 1,1 milhão de doses.

Segundo o governador, Elcio Franco não entende de saúde. “Pode entender de outra coisa. De saúde ele não tem competência e nem habilitação para falar”.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, citou “falta de planejamento”e “descompromisso” para se referir às declarações do Ministério da Saúde.

As autoridades paulistas também anunciaram uma reclassificação do Plano São Paulo de controle da pandemia. As regiões de Araraquara, Barretos, Bauru e Presidente Prudente continuarão na fase vermelha por causa da piora nos índices de avanço do coronavírus. A fase é a mais restritiva, e permite o funcionamento apenas de serviços essenciais. Houve melhora nas regiões de Franca, que avança para a etapa laranja, e Sorocaba, que progride para a fase amarela.

Deixe uma resposta