URGENTE: Polícia Civil deflagra operação contra fraudes na saúde (Áudio)

Foto gentilmente cedida pelo jornalista Rafael Ventura | Diário de Ribeirão Pires

O Polícia Civil do Estado de São Paulo deflagou na manhã desta terça-feira (29),uma operação onde policiais cumprem diversos mandados judiciais contra possíveis desvios na área da saúde.

Segundo as informação, além de Ribeirão Pires os policiais cumprem ordem judicial de busca e apreensão e mandados de prisão temporária na capital e em diversas cidades do interior do Estado. Conforme as investigações,  o esquema de desvios envolve a Santa Casa de Birigui que administra unidades de Saúde em Ribeirão Pires e os donos são suspeitos de pagar propina a agentes públicos para obter contratos superfaturados.

A ação visa desarticular organização criminosa dedicada a desvios de recursos públicos na área da saúde, destinados a contratação de organizações sociais para gestão de hospitais públicos.

 

Áudio vazado para o Repórter ABC, mostra um homem relatando que o gabinete da Diretora da UPA da Santa Luzia está sendo vasculhado pelos agentes da polícias em busca de documentações.

Além de São Paulo, a operação acontece simultaneamente no estado do Pará, onde a Polícia Federal em parceria com a Controladoria Geral da União (CGU) investigam 12 contratos firmados entre o governo e hospitais públicos – inclusive de campanha para combate ao coronavírus – que aparentemente estão superfaturados em mais de 1 bilhão de reais.

Na última quinta-feira (24), 9 vereadores da base de sustentação do governo do prefeito Kiko Teixeira (PSDB), aprovaram remanejamento no orçamento na casa de quase R$ 15 milhões onde maior parte seria utilizado para o pagamentos na área da saúde.

Conforme o Gaeco, trabalho de dois anos identificou a criação de “sofisticado esquema” de desvio de dinheiro público envolvendo empresários, agentes públicos e profissionais liberais.

“Há indícios de esquema de desvio de verba pública por meio da celebração de contratos de gestão entre organizações sociais e o poder público, em sua maioria, através de procedimentos licitatórios fraudulentos e contratos superfaturados.
No transcorrer da investigação, foram identificadas dezenas de envolvidos com o grupo criminoso divididos em diversos núcleos, cada um com sua colaboração na prática das infrações penais”, disse o Gaeco, em nota.

A Santa Casa de Birigui, contratada pela Prefeitura de Ribeirão Pires para fazer a gestão da saúde municipal, também foi alvo da operação. A instituição chegou à cidade em 2018, já no governo de Adler Kiko Teixeira (PSDB).

“Em decorrência desse trabalho investigativo foram expedidos 64 mandados de prisão temporária e 237 mandados de busca, sendo 180 no Estado de São Paulo e 57 em outras unidades da Federação, além do sequestro de bens e valores.

As prisões e as buscas se deram em dezenas de municípios do Estado de São Paulo, dentre eles Penápolis, Araçatuba, Birigui, Osasco, Carapicuíba, Ribeirão Pires, Lençóis Paulista, Agudos, Barueri, Guapiara, Vargem Grande Paulista, Santos, Sorocaba, bem como em cidades do Pará, Paraná, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul”, declarou o Gaeco.

Solicitação de informações foi encaminhada para a assessoria de comunicação da prefeitura e aguarda posicionamento oficial.

Deixe uma resposta