Dedé da Folha pretendia ser candidato, inelegível e rejeitado por grupo de Volpi, viu em Kiko a sua tábua de salvação

Em entrevista concedida ao Programa Entre Amigos, conduzida com competência por Ramon Velasquez, o ex-vice-prefeito e vereador por Ribeirão Pires, Dedé da Folha, com total liberdade, fez a época duros ataques ao prefeito Kiko Teixeira (PSDB) e a vereadores que compõem a bancada governista na Câmara da Estância e teceu elogios a Clóvis Volpi (PL) e aos vereadores Amigão D’orto (PSB) e Rubão Fernandes(PL).

Para uma maior compreensão por partes dos leitores, o Repórter ABC dividiu o vídeo original em 11 trechos sem alterar o seu conteúdo e mantendo os principais trechos intactos e sem cortes.

Nesta terça feira (8), Dedé da Folha acompanhado pelo deputado Federal Alex Manente declarou o seu apoio político ao prefeito de Ribeirão Pires Kiko Teixeira (PSDB) e a seu vice Gabriel Roncon (PTB) em seu projeto de continuidade política na disputa por uma reeleição. A entrevista foi ao ar em 7 de fevereiro de 2019 e apresenta uma grande contradição diante dos duros ataques feitos a administração Kiko Teixeira e aos elogios tecidos ao hoje prefeiturável Clóvis Volpi que selou aliança com o vereador Amigão D’orto para a próxima disputa eleitoral prevista para acontecer em 15 de novembro.

Dedé da Folha, inelegível, foi rejeitado em participar do grupo politico de Clóvis Volpi. Segundo informações obtidas e amplamente divulgada pela imprensa da região, Dedé pretendia impor o nome de sua esposa como vice, o que foi negado pelo grupo que majoritariamente tem em seus quadros pessoas jovens na politica e não compartilham com o modo com que o ex-vice-prefeito tentou adentrar ao grupo.

Dedé em uma de suas falas, assumiu que conjuntamente com um primo advogado, apresentava contestações junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) que paralisou dezenas processos licitatórios na cidade. Dedé da Folha acusou de que vereadores aliados de Kiko haviam sido comprados e atuavam possivelmente para ocultar irregularidade na administração municipal.

Contraditório, o ex-vice prefeito agora anda ombro a ombro com os seus acusados do passado recente. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Kiko Teixeira está enquadrado na Lei da Ficha Limpa por ato de improbidade cometida em período em que governou a cidade de Rio Grande da Serra, estando impedido de concorrer em cargos públicos até o ano de 2023.

Acompanhe abaixo.

Vídeo 1 – Avaliação do governo Kiko Teixeira

Em avaliação caustica, Dedé da Folha disse que kiko vendeu um sonho que se tornou um pesadelo.

“A nossa cidade não cresce e não avança em saúde, educação”.

“Podemos avaliar o Kiko uma grande farça enquanto governante! Uma grande mentira!Cadê o remédio em casa? Cadê as ruas sem buraco e limpas?Cadê a saíde funcionando? Cadê a educação de qualidade com valorização do profissional?”, questionou.

Ainda no vídeo 1, Dedé chamou o governo Kiko de fraco e que não tem o que mostrar porque a sua história como bom prefeito de Rio Grande da Serra está sendo apagada dia a dia.

Vídeo 2 – O seu desejo de disputar o cargo de prefeito em 2020

Neste segundo vídeo, Dedé da Folho externou o seu desejo em disputar as eleições municipais de 2020 ao cargo de prefeito.

Questionado na ocasião sobre o seu processo na justiça eleitoral que o enquadrou na condição de inelegível (Lei da Ficha Limpa), Dedé argumentou que estava até então se preparando e lutando juridicamente para poder entrar na disputa.

“Tenho um processo e meu advogado me disse: Dedé, se você tiver vontade de ser candidato novamente, seja candidato e deixe a parte jurídica comigo”.

Dedé da Folha foi alvo de condenação em ação movida por Kiko Teixeira que o acusou de ter se utilizado de seu jornal em proveito próprio. Dedé foi condenado a inegibilidade por abuso do poder econômico.

Diante do fato, Dedé foi rejeitado por diversos integrantes do grupo político de Amigão D’orto e Clóvis Volpi onde esse integrante pressionaram pela recusa enxergando irrelevância política e diante também de dificuldade de relacionamento. Sem espaço político viu em Kiko Teixeira uma possível tábua de salvação.

Vídeo 3 – Uma Câmara de vereadores comprada por Kiko

Dedé início a sua fala atacando o atual presidente da Câmara de Ribeirão Pires.

“Ficou muito claro na eleição da presidência agora com o sobrinho do prefeito, Rato Teixeira. É o Rato cuidando do queijo”.

Na sequencia deste terceiro trecho, Dedé disse que nesta eleição da Câmara ficou muito clara a mercantilização do legislativo.

Questionado se acaso a Operação Lava Jato chegasse em Ribeirão Pires o que poderia acontecer, ele respondeu:

“Não precisa nem ser a Lava Jato, em Mauá tivemos uma operação da Polícia Federal onde o prefeito foi preso, dos 23 vereadores , 22 foram indiciados. Em Santo André o Ministério Publico ingressou com ações dizendo que havia mensalão na Câmara na gestão grana”.

Ao final Dedé sugeriu a evidencia de toma lá da cá existem na atual Casa de Leis ribeirãopirense.

Vídeo 4 – O primo advogado, a licitação e o financiamento político de Kiko

O hoje ex-desafeto político de Kiko Teixeira e atual aliado ao projeto político disse que recursos aprovados em licitações desta gestão voltam para financiamento de campanha política e cooptação de vereadores:

“… o dinheiro volta pro bolso do político pra fazer a campanha eleitoral com dinheiro, pra aumentar e potencializar a chance do candidato vencera eleição”…

Vídeo 5 – Quadro do boné: Dedé da Folha elogia Clóvis Volpi

“Eu aprendi muito com o Clóvis Volpi, aprendi muito como gerenciar uma cidade… O Clóvis tem mais pontos positivos do que pontos negativos, aprendi muito na política com ele, aprendi muito de gestão com ele. Ribeirão Pires sente muita falta da gestão Volpi / Dedé”.

Vídeo 6 – Dedé deprecia três vereadores eleitos por seu partido

Dedé da Folha desfere duros golpes contra três vereadores eleitos pelo antigo PPS, (Banha, Paixão e Carlinho Trindade) partido ao qual é presidente. Dedé porém não mencionou o professor Flávio Gomes que encontrava-se afastado por acusação de reter salário de um ex-assessor. Flávio foi inocentado. Dos quatro vereadores, três estão no grupo político de Kiko, o qual Dedé acaba de assumir apoiar.

Vídeo 7 – Dedé elogia os vereadores Rubão Fernandes e Amigão D’orto: “A salvação da Câmara Municipal”

Contrariando o que vem sendo dito atualmente por Dedé da Folha, desde que vem se afinando com o projeto de poder do prefeito Kiko Teixeira, Dedé rasgou-se em elogios aos vereadores Rubão Fernandes e Amigão D’orto.

Vídeo 8 – Dedé afirma que não depende da política para sobreviver

“Se eu sair daqui eu volto pro meu jornal e vou trabalhar. Eu não dependo da política pra mim sobreviver.Eu dependo do meu esforço, eu dependo do meu suor, do meu talento e da minha criatividade”.

Vídeo 9 – Amigão D’orto e a sua transparência

Dedé da Folha fala sobre a perseguição do governo Kiko contra o vereador Amigão D’orto que propôs um projeto para dar maior transparência a administração pública municipal.

Vídeo 10 – Ironiza Kiko e o chama de “o pior prefeito da história”

Em tom de ironia, Dedé da Folha disse que o prefeito Kiko Teixeira é o Pior prefeito da história de Ribeirão Pires.

“De 2012 a 2016, Ribeirão Pires foi governada por Saulo Benevides. Saulo Benevides saiu com o título de pior prefeito que Ribeirão Pires já teve em toda a sua história. Eu tiro o boné pro Kiko, porque ele conseguiu superar o Saulo. Na minha opinião superar o Saulo. Na minha opinião o pior prefeito da história de Ribeirão Pires chama-se Kiko Teixeira”.

Foi dito ainda sobre diversos erros da atual administração, como troca de asfalto por bloquete, além de diversas ruas sem calçada e pavimentação e outros apontamentos.

Vídeo 11 – Alex Manente e Orlando Morando

Dedé expôs positivas qualidades ao deputado Alex Manete mesmo o parlamentar não tendo enviado desde que assumiu o seu mandato como deputado federal emendas parlamentar para Ribeirão Pires.

O prefeito Orlando Morando, aliado de primeira ordem do prefeito de Ribeirão Pires, foi duramente criticado.

Desde que Alex Manente assumiu o seu primeiro mandato no ano de 2015, segundo dados do Portal da Transparência, Manente teve mais de R$49 milhões em emendas pagas a 76 cidades entre os anos de 2015 e 2018, mas para as cidades do ABC vieram a receber apenas R$5,67 milhões, o que representa 13% do total destinado pelo deputado aos municípios do estado.

Se a comparação for em relação aos votos nas eleições de 2018, o parlamentar recebeu apenas 15.728 votos nas cidades fora do ABC. Em alguns casos, Manente enviou verbas para municípios que não teve nenhum voto nestas eleições. Já na região foram 90.387 votos. A quantidade de votos recebida por Alex nos demais municípios fora das sete cidades não seria suficiente para reelege-lo.

A cidade do ABC que mais recebeu emendas parlamentares de Alex Manente foi Mauá, com R$3 milhões em pagamentos. Seguida de Diadema com R$1,26 milhão, Santo André com R$1,15 milhão e São Caetano com R$260 mil.

São Bernardo do Campo, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra não recebeu um real do parlamentar em quase quatro anos de mandato.

Ao contrário das cidades que foi pouco votado, Manente dependeu totalmente da região para se reeleger. Mesmo São Bernardo do Campo não tendo recebido nada em pagamento de emendas do popular-socialista, na cidade, o deputado teve 52.621 votos. Além disso, em Santo André foram 13.956 votos, em São Caetano do Sul foram 6.716, Diadema registrou 6.662 votos. Em Mauá, foram 4.615 votos, Ribeirão Pires 3.106, e Rio Grande da Serra 2.711 votos.

Em 2019, o deputado Alex Manente iniciou o seu segundo mandato na Câmara Federal e neste primeiro ano teve R$ 15.420.774,00 para destinação de emendas. Ribeirão Pires que passa por situação aguda no setor da saúde sequer recebeu apoio do deputado. No ano de 2020, Manente teve a sua disposição R$ 15.740.545,00 para emendas não destinando novamente recursos para o auxilio de Ribeirão Pires.

Confira as cidades que Alex Manente mandou verbas nos últimos quatro anos e a quantidade de votos que recebeu em cada uma delas em 2018:

Deixe uma resposta