Hipocrisia: deputada Flordelis frequentava surubas junto com o marido

Flordelis na Câmara: provou que não é flor que se cheire. Foto o Globo em conteúdo do jornal Extra.

Uma mulher que frequentava a igreja fundada pela deputada federal Flordelis dos Santos de Souza (PSD) relatou à Polícia Civil que a parlamentar e seu marido, o pastor Anderson do Carmo, frequentavam uma casa de swing, lugar onde há troca de casais. O depoimento, ao qual o EXTRA teve acesso, foi dado em setembro do ano passado a policiais da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí no inquérito que apura a morte de Anderson.

A fiel afirmou que soube da informação em 2007, ao levar sua supervisora a um culto no Ministério Flordelis. Ela relatou à polícia que ao ver a deputada e pastora, sua amiga ficou surpresa e comentou que Flordelis frequentava a mesma casa de swing que ela, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

A supervisora da fiel afirmou que além de Flordelis e Anderson, Simone, filha biológica da deputada, e o marido dela, André, também frequentavam o local. Ainda segundo a mulher, Flordelis possuía um quarto privativo na casa de swing. A mulher chegou a descrever a roupa usada por Flordelis na ocasião em que a viu na casa de swing e afirmou que ela estava extremamente bêbada.

A antiga frequentadora da igreja que prestou depoimento na DH afirmou que em um primeiro momento chegou a desconfiar da versão de sua supervisora, mas que passou a ter certeza da história após algumas perguntas feitas por ela ao pastor Anderson e a Simone.

A mulher contou que fingiu para o pastor Anderson ter visto a família na Barra da Tijuca na ocasião em que a supervisora lhe descreveu, mas o pastor negou que tivesse estado no bairro. No entanto, a fiel afirma ter questionado Simone, que confirmou a ida da família à Barra e também a roupa que Flordelis usava, conforme descrito pela supervisora.

A fiel ainda relatou que em uma ocasião em que esteve na casa de Flordelis viu o momento em que a deputada, Anderson, Simone e André saíram todos do mesmo quarto, de toalha branca. Segundo a mulher, naquele dia o acesso de pessoas da igreja na casa era proibido.

A fiel também relatou que a informação sobre a casa de swing se espalhou pela igreja e ela foi questionada por Anderson e Flordelis. Ela disse ainda que depois desses episódios passou a ser perseguida e deixou de frequentar a igreja de Flordelis, que chamou de psicopata e mentirosa em seu depoimento.

Participação no assassinato e filho induzido à culpa

Lucas Cézar dos Santos, de 19 anos, está preso há um ano, acusado de envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo, que era seu pai adotivo. O rapaz foi chamado na delegacia para prestar esclarecimentos sobre uma carta escrita por ele, no fim do ano passado, na qual assumia participação no crime e livrava seu irmão, Flávio dos Santos Rodrigues, de envolvimento no assassinato. Conforme revelado nessa terça-feira pelo jornal EXTRA, Lucas admitiu, no depoimento, que não foi o autor da carta. Ele afirmou que o texto foi escrito por Flordelis e entregue a ele, no presídio, apenas para que fosse copiado.

Durante o depoimento, Lucas afirmou que o objetivo era ajudar o Flávio e também Flordelis, que foi acusada por pelo menos cinco filhos de participação no crime. “O objetivo deles era ajudar o Flávio. No meu ponto de vista, se tirasse o Flávio da jogada tirava a mãe dele. Aí iam querer me botar. Porque sabiam que eu não tinha ligação nenhuma com eles, que eu não morava mais lá (na casa da família), afirmou Lucas.

Em depoimentos à DH, Lucas já relatou ter recebido propostas de Marzy e Rayane para matar o pastor Anderson, com o conhecimento de Flordelis, mas afirmou que recusou ambas.

Lucas e Flávio estão presos desde junho do ano passado. Flávio é acusado de ter atirado ao menos seis vezes contra o pastor Anderson. Ele próprio confessou o crime em depoimento à Polícia Civil. Já Lucas é acusado de ter ajudado o irmão a comprar a arma do crime, mas o rapaz nega que soubesse do plano para assassinar o pastor.

Esta matéria, relatada pelo jornal Extra, do Rio de Janeiro, foi publicada no dia 20-06, por O Expresso. Repetimos a publicação agora em vista do clamor público, frente à acusação de que Flordelis (PSD) foi a real mandante do crime.

Deixe uma resposta