YouTube, Twitter e Facebook derrubam perfis de Sara Winter

Imagem do vídeo da militante bolsonarista Sara Winter no qual ela expôs menina de 10 anos que foi vítima de estupro

O YouTube encerrou a conta da militante bolsonarista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, por violar os Termos de Serviço da plataforma.

A medida vem depois de a Justiça do Espírito Santo determinar ao Twitter, Facebook e YouTube a retirada do ar, em até 24 horas, de publicações com informações sobre a menina capixaba de 10 anos de idade que engravidou por estupro. A decisão atendeu a pedido do MP-ES (Ministério Público do Espírito Santo) sob o argumento de que Sara Winter desrespeitou o Estatuto da Criança e do Adolescente ao expor a identidade de uma menor de idade, vítima de violência.

No domingo (16.ago.2020), Sara Winter publicou no YouTube 1 vídeo no qual revela a identidade da menina e o endereço do hospital no qual ela fez o abortamento, com autorização da Justiça, para que protesto fosse realizado a fim de impedir o procedimento.

Imagem do vídeo da militante bolsonarista

“O YouTube tem políticas rígidas que determinam os conteúdos que podem estar na plataforma e encerramos qualquer canal que viole repetidamente nossas regras. Aplicamos nossas diretrizes de forma consistente e independente de ponto de vista. Apenas no 1º trimestre de 2020, encerramos globalmente mais de 1,9 milhão de canais da plataforma. No mesmo período, no Brasil, foram removidos mais de 480 mil vídeos que desrespeitavam nossas políticas”, disse o Youtube em nota enviada ao G1.

Segundo as políticas do YouTube, 1 canal pode ser encerrado se descumprir recorrentemente as regras de uso. A cada violação, a conta recebe 1 “strike” – 1 tipo de aviso e punição. E, após 3 “strikes”, o canal é derrubado em definitivo.

O Repórter ABC acessou o endereço do canal, o qual teve o perfil encerrado:

Nessa 2ª feira (17.ago.2020), o Facebook excluiu a publicação na qual Sara Winter também convocava 1 ato em frente ao hospital onde a menina foi internada para realizar o abortamento.

Deixe uma resposta