Direito de Resposta: Paulinho da Força nega envolvimento com tráfico de mulheres

A assessoria jurídica do deputado Federal Paulinho da Força (Solidariedade), entrou em contato com o Repórter ABC requerendo “Direito de Resposta” sobre a matéria veiculada neste portal, intitulada: “Paulinho da Força, fiador político de Marisa das Casas Próprias é acusado de envolvimento em tráfico internacional de mulheres e crimes contra o sistema financeiro”.

No documento, os advogados reconhecem que a matéria em questão adota tom meramente informativo, indicando como fonte uma matéria publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas questionam trecho inserido alegando graves danos à imagem do parlamentar.

A defesa do deputado defende que tais fatos são inverídicos e sem comprovação.

“O que houve foi que a partir de uma investigação sobre tráfico de mulheres, no qual o deputado nunca esteve envolvido, nem foi acusado, eclodiu uma investigação de crimes financeiros do BNDES. Assim cabe esclarecer que tanto o inquérito penal 2725, quanto a ação 965 que foram referidos na reportagem de supostos atos de corrupção perante ao BNDES aguardam julgamento final pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

De comum entendimento, o jurídico redigiu texto para o pleno exercício democrático do “DIREITO DE RESPOSTA” que segue em sua íntegra abaixo.

DIREITO DE RESPOSTA CONFERIDO AO DEPUTADO FEDERAL PAULO PEREIRA DA SILVA, O PAULINHO DA FORÇA, DIANTE DA NOTÍCIA QUE ERRONEAMENTE O ACUSA DE ENVOLVIMENTO COM O TRÁFICO DE MULHERES E PATROCÍNIO DE CANDIDATA A PREFEITA

Muito embora este portal de notícias, REPÓRTER ABC, tenha veiculado, em 04/03/2020, notícia indicando que o deputado federal PAULO PEREIRA DA SILVA estaria envolvido em esquema de tráfico de mulheres, não há, nem nunca houve, qualquer processo judicial nem muito menos investigação criminal nesse sentido, o que comprova que referida notícia pautou-se em informações falsas e tendenciosas.

Ao contrário do que este portal fez parecer, em especial no título da notícia, não existe nenhuma acusação criminal envolvendo o deputado a esquema de tráfico de mulheres.

O que houve foi que a partir de uma investigação sobre tráfico de mulheres, no qual o deputado nunca esteve envolvido, nem foi acusado, eclodiu uma investigação de crimes financeiros no BNDES.

Assim, cabe esclarecer que tanto o inquérito penal 2725, quanto a ação penal 965 que foram referidos na reportagem tratam de supostos atos de corrupção perante o BNDES pelos quais PAULO PEREIRA DA SILVA é acusado e aguarda julgamento final no SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF), mas que, em nada o vincula a nenhum tipo de esquema de tráfico de mulheres como, de forma inverídica e irresponsável, constou no título da notícia ora retratada.

Portanto, aguarda-se o julgamento do deputado sobre supostos crimes contra o sistema financeiros no STF, e não sobre tráfico de mulheres.

Da mesma forma, o deputado PAULO PEREIRA DA SILVA não é patrocinador, muito menos fiador político da candidata à prefeitura de Ribeirão Pires, MARISA DAS CASAS POPULARES, da qual este não tem ligação próxima, tendo a encontrado poucas vezes em eventos públicos, basicamente voltados às atividades político partidárias do SOLIDARIEDADE, partido ao qual ambos são filiados, e que o deputado é o Presidente. 

Esses encontros esporádicos não se confundem, de forma alguma, nem com apoio político, muito menos com patrocínio financeiro, sendo que o destaque conferido na matéria, inclusive mencionando supostas “fontes seguras”não provam absolutamente nada do que é noticiado, desvirtuando o seu caráter informativo.

Dr. Rubens Catirce

Deixe uma resposta