Ribeirão Pires contrata por R$ 10 milhões empresa com sócio denunciado por esquema de corrupção. Peralta foi fundada 18 dias antes da assinatura do contrato

Dados expostos no Portal da Transparência da Prefeitura de Ribeirão Pires aponta que foi assinado no último dia 18 de novembro de 2019 contrato nº 602- modalidade Concorrência Pública – com o Consórcio Peralta Ambiental Ribeirão Pires – sediada na cidade de Santo André – no valor de R$ 10.328.700,77 para a coleta de lixo na Estância. A vigência do contrato é de 01/12/2019 até 05/11/2020.

Obtendo acesso ao Contrato Social registrado na Junta Comercial do Estado de São Paulo (JUCESP), verifica-se que o Consórcio Peralta Ambiental Ribeirão Pires foi constituído em 31/10/2019 e a emissão do documento pela JUCESP data de 26/11/2019.

O Contrato foi assinado pela Prefeitura de Ribeirão Pires foi assinado 18 dias após a constituição da empresa que segundo especialistas da área, o tempo do processo foi recorde e merece atenção. Ver documento abaixo abaixo.

Outro dado, que deve-se analisar, diz respeito ao quadro associativo do Consórcio Peralta Ambiental Ribeirão Pires.

Luis Roberto Peralta, conhecido empresário da região do ABC Paulista por Beto Peralta faz parte do quadro diretivo, um representante da empresa Sanurban Saneamento Urbano e Construções S.A., empresa esta que venceu concorrência no valor de R$ 835.573,20 para executar serviços de coleta de lixo em Ribeirão Pires tendo o seu contrato (nº 603) já assinado e com vigência de 01/12/2019 até 05/11/2020.

Reportagem da Rádio CBN datado de 16 de janeiro de 2019 relata um “esquema de pagamento de propina a vereadores de Santo André, investigado pelo Ministério Público que envolve empresas com a prefeitura da Região Metropolitana de São Paulo. A denúncia aponta que quase R$ 10 milhões foram movimentados em menos de um ano. Parte das empresas já é investigada por irregularidades em outros contratos com o poder público. A CBN teve acesso às planilhas, que detalham até quando os recursos sobravam ou faltavam para o pagamento de propinas”.

Segundo ainda a matéria, “A empresa Peralta, do conhecido empresário do ABC, Beto Peralta, recebeu cerca de R$ 200 milhões na gestão do ex-prefeito Carlos Grana para coleta de lixo e construção de moradias. As planilhas apontam que, em média, um terço da propina vinha do grupo. Em 2016, o Tribunal de Contas do Estado considerou que o contrato da empresa com a prefeitura, ainda na gestão de Aidan Ravin, do PSB, era ilegal. O contrato de coleta foi aditado por cinco anos”. Clique aqui para acessar a íntegra da matéria da CBN e acompanhe abaixo, o áudio extraído da página da CBN na internet.

Título revisado em 26/11/2019 as 16:35:56

Deixe uma resposta