Akira dá gelo em Claudinho da Geladeira após rejeitar convite para almoço

O pré-candidato a prefeito nas eleições de 2020 em Rio Grande da Serra, Claudinho da Geladeira teve convite rejeitado para um almoço feito ao vereador Akira Ono.

Momentos antes do início da sessão legislativa nesta quarta-feira (5), Akira questionado sobre o almoço ao qual Claudinho pretendia oferecer, o parlamentar respondeu: “Não houve almoço, não vou!”, sem informar se pretende abrir diálogo futuro.

Nos bastidores da política local, é dito que o que Geladeira tinha a oferecer como entrada e prato principal era “uma dobradinha” que em linguagem política significaria a composição de chapa majoritária com a Akira sendo seu vice.

Fontes próximas ao vereador do PSB, confirmam a aproximação de Geladeira e o convite recusado e que o distanciamento é aconselhado por hora.

Akira, vereador em seu primeiro mandato, tenta viabilizar a sua candidatura ao Paço de Rio Grande da Serra e busca no ex-prefeito da cidade e atual mandatário de Ribeirão Pires, Kiko Teixeira (PSB), o seu apoio político.

Para observadores da política local, Akira ainda não se posicionou como legítimo opositor da atual gestão municipal e que sua “expectativa gira em torno de que seu nome faça-se consenso entre Gabriel e Kiko, mas que tal desejo se torna cada vez mais improvável.

Recentemente – conforme noticiou o Repórter ABC, ver matéria aqui – Geladeira, em encontro com Kiko Teixeira, pediu uma aliança para derrubar o grupo de Grupo de seu adversário, Gabriel Maranhão.

Ainda conforme o texto, o PT de Rio Grande da Serra busca aventa lançar candidatura própria em 2020 e iniciou tratativas com outros grupos. No seio do PT, Geladeira é tratado como traidor por parte de seus integrantes por ter se aliado e apoiado unilateralmente candidaturas sob suspeita judicial nas eleições nacionais de 2018 e por motivos de logo após o término do pleito ter abandonado a sigla partidária.

Geladeira, com o apoio da militância de seu ex-partido, ficou na segunda colocação nas eleições de 2016, obtendo 2.914 votos a menos que o seu principal concorrente Gabriel Maranhão que foi eleito prefeito. Atualmente, Maranhão analisa o potencial de nomes, a exemplo de sua vice, a professora Marilza, Helenice Arruda, Claurício Bento, o presidente da Câmara, Claudinho Monteiro, Gilvan Mendonça e outros prováveis nomes.

Em 2020, caso o PT confirme o descarte de uma aliança em seu nome, Geladeira estará fadado a desistir de sua candidatura ao Paço restando-lhe uma disputa proporcional em função de sua capacidade eleitoral.

Deixe uma resposta