Vereador de Mauá já admite possibilidade de prisão

O vereador de Mauá, Dr. Cincinato (PDT), em entrevista a Rede Globo na última quarta-feira (16) deixou transparecer o seu receio de ser preso. Na entrevista Dr. Cincinato que é citado em investigação da Polícia Federal por suposto recebimento de propina em troca de apoio ao governo do prefeito afastado Atila Jacomussi (PSB) disse: “Ninguém aqui foi preso. Então, enquanto a gente não for preso, não tiver nada concreto, fica a suspeita. Se um dia eu for preso, vai ser porque tem motivo.

Dr. Cincinato através de um sorteio na sessão extraordinária convocada para votar abertura de processo de cassação de Atila foi escolhido para integrar uma das duas comissões que  vão analisar a cassação do prefeito que encontra-se em cárcere na Penitenciária de Tremembé. Junto com Dr. Cincinato (que presidirá uma das comissões), outros 20 vereadores do parlamento mauaense são investigados. dois pedidos de impeachment de Atila. Vereadores que vão julgar prefeito são acusados pelos mesmos crimes.

Em meio ao imbróglio jurídico instalado na cidade, houve uma corrida de suplentes de vereador até a Justiça Eleitoral, solicitando diplomas. Os suplentes acreditam na possibilidade de assumirem o cargo. Diante da grande procura, o cartório resolveu disponibilizar a emissão do diploma dos 3º e 4º suplentes por meio do site do TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Segundo informações do cartório, é um direito dos candidatos solicitar o documento. Até na semana passada somente estavam disponíveis na página do órgão os diplomas dos 1º e 2º suplentes. A confusão na cidade é tão grande que até o 7º suplente requereu o documento na Justiça Eleitoral.

A cidade vive uma das piores crises políticas da história, com o indiciamento do prefeito e de 21 dos 23 vereadores acusados pela PF (Polícia Federal) de receber mensalinho do prefeito afastado Atila Jacomussi (PSB). A cidade é comandada atualmente pela vice-prefeita Alaíde Damo (MDB).

Deixe uma resposta