Polícia faz reconstituição da morte de Regina. Chú matou com requintes de crueldade!

Chú, o criminoso confesso, indicou os locais por que passou antes de assassinar Regina na madrugada de 02 de outubro em um matagal no Jardim Mirante

Chú no local do crime relatando como matou Regina: droga e enforcamento usando uma camisa

Equipe de Perícia Técnica acompanhados por Policiais Civis da Delegacia de Ribeirão Pires realizaram na manhã desta quinta-feira (08), reconstituição dos fatos que levaram a morte de Regina Leandro Barreto de 34 anos, que desapareceu no dia 02 de outubro e seu corpo foi encontrado já em avançado estado de decomposição na noite de 20 de outubro em um matagal na avenida Rotary, Ribeirão Pires.
Regina foi encontrada após a prisão do principal suspeito, Jadson Fernandes do Nascimento Júnior, 34 anos – conhecido por Chú – que foi visto em companhia da mulher na noite de seu desaparecimento.
Com o desaparecimento de Regina, uma grande comoção tomou conta da cidade, onde Guardas Municipais, Polícias Civil e Militar iniciaram uma grande operação de busca.
Cachorros farejadores especialista em encontrar cadáveres foram trazidos da cidade de Osasco e diversos locais de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra foram vasculhados.
Chú que já foi detido para averiguação negava responsabilidades sobre o sumiço da mulher, somente após a sua prisão que aconteceu na cidade de Sorocaba, confessou a autoria do homicídio levando a Polícia Civil até o local onde se encontrava o corpo.
Segundo informou um perito, a perícia técnica é ato de grande importância dentro de um inquérito.
“A reprodução simulada dos fatos, popularmente conhecida como reconstituição de crimes, é o processo de simular as circunstâncias e o ambiente onde alguma transgressão foi praticada por meio de evidências e depoimentos. Do ponto de vista técnico, a expressão “reconstituir” é incorreta, pois a prática busca apenas documentar, e não refazer, o ato criminoso. Na prática, é usada para verificar e determinar à mecânica e o modus operandi do criminoso, bem como esclarecer aspectos do crime, identificar possíveis agravantes ou até premeditação”, disse.
A simulada dos fatos realizada nesta quinta-feira, percorreu o mesmo trajeto em que Chú e Regina passaram, colheu depoimentos do criminoso confesso e anotou detalhes.

A Simulação dos fatos

   

Por volta da 10:40 horas, Chú foi retirado da cela a qual encontra-se preso desde o último dia 20 de outubro na Delegacia de Ribeirão Pires e foi escoltado para fazer a simulação dos fatos.

Conforme acompanhou o Repórter ABC por toda a simulação, Chú conheceu Regina na rodoviária de Ribeirão Pires, onde conversaram por alguns momentos.

Segundo a confissão de Chú, da Rodoviária, seguiu com Regina para a rua Domingos Balzani onde próximo ao Cartório Eleitoral fizeram uso de cocaína e beberam pinga.

Em seguida dirigiram-se para a rua uma praça que fica em frente da Igreja Matriz onde conversaram e rumaram para a rua Comendador João Ugliengo onde num imóvel desocupado usaram mais cocaína e tomaram mais pinga. Após retornaram para a praça onde na madrugada resolveram seguir para a mata localizada na avenida Rotary.

Já no local do crime, Chú de forma imprecisa, disse que “estavam muito loucos” sob os efeitos de cocaína e pinga quando Regina lhe desferiu dois empurrões na altura do peito. Foi quando ele pegou uma camisa xadrez que usava, a pegou por trás e a enforcou deixando em seguida o local.
Na simulação, foi utilizada uma boneca manequim de acrílico que representava Regina. O local onde a mulher foi morta covardemente fica a aproximadamente 20 metros do asfalto.

Deixe uma resposta